Polícia investiga se goleiro Bruno contratou Nem para matar juíza


A Polícia Civil de Belo Horizonte (MG) investiga a denúncia feita por um presidiário de que o goleiro Bruno Fernandes de Souza, o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, Luiz Henrique Romão, o Macarrão, teriam contratado o traficante Francisco Bonfim Lopes, conhecido como "Nem da Rocinha", para assassinar a juíza, o delegado, um parlamentar e um advogado envolvidos na investigação sobre o desaparecimento da modelo Eliza Samudio.Nem está em um presídio de Campo Grande (MS). A polícia de Minas Gerais encaminhou um pedido para que o suspeito seja ouvido no Estado em que está preso. 
O presidiário responsável pela denúncia dividiu uma cela com Bola no presídio de Nelson Hungria, em Contagem (MG). Segundo ele, Nem seria responsável pelas ameaças de morte. (R7)